Deixar a experiência ser como é

Quando adotei o meu primeiro gato queria colocar o nome de Bourdieu, inspirada no sociólogo francês. Na época eu estava fazendo um curso chamado Estado, poder e política, que exigia leitura de autores que eu tinha pouco contato anteriormente.

Esperei alguns dias para conhecer mais a personalidade do gato. Somente depois de experienciar, ele ganharia um novo nome. Carlos Nelson! Inspirado em um filosofo político, ensaísta, tradutor, professor da Escola de Serviço Social da UFRJ. Bem mais apropriado para sua personalidade.

Porque comecei esse post com essa história. Nem sempre o que queria inicialmente é o que fica. Deixar a experiência ser como é. E está tudo certo.


Para saber mais

Cazela, Mabile Caetano. (2017). Notas sobre a influência de Carlos Nelson Coutinho ao Serviço Social brasileiro. Revista Katálysis20(2), 234-244. https://dx.doi.org/10.1590/1982-02592017v20n2p234

Escrito por

Pesquisadora em mobilização de conhecimento, buscadora e curadora de informação, entusiasta em visualização de dados e gamer no Habitica, um jogo para gerenciar hábitos.

Um comentário em “Deixar a experiência ser como é

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s